CSS - followUS_icons

CSS_Brands_Megadropdown menu

CSS - BabyandMe POPIN

 

CSS - Benefits

CSS - Nutritional-Program

esconder navegacao

estilo para links e listas

esconder rendimento e cooking time

Compartilhar Artigo
X
A Música na Educação Infantil, por Nestlé Baby & Me

A Música na Educação Infantil

Foi-se o tempo em que brincar com música era considerado apenas uma forma de se divertir e se sentir bem. 

Quarta-feira, Julho 13th, 2016

Com estudos e pesquisas comprovados pela Neurociência - conjunto de ciências que estudam como aprendemos e nos desenvolvemos, atualmente temos conhecimento que estudar música desde pequeno pode fazer muita diferença no desenvolvimento integral da criança a longo prazo. Veja 11 razões para as famílias investirem na educação musical de seus filhos o mais rápido possível!

 

Está provado que estudar música melhora as funções executivas do cérebro, responsáveis por habilidades como memória, controle da atenção, organização e planejamento do futuro. Isso acontece porque praticar música, como tocar um instrumento musical, exige foco e disciplina, além de utilizar a coordenação das mãos, senso rítmico, estímulo visual e auditivo.

 

Com os estudos avançados da Neurociência, hoje temos informações seguras que o período entre 0 e 6 anos é de extrema importância para o desenvolvimento infantil. É a fase de estruturação do sistema nervoso, em que comportamentos são aprendidos e consolidados. Em uma entrevista à Revista Pais e Filhos, a neurocientista Elvira Souza Lima explica: “Uma criança que começa antes dos 7 anos a estudar música tem maiores possibilidades de o lado esquerdo e direito do cérebro se comunicarem melhor, desenvolvendo a atividade do pensamento”. 

 

Howard Gardner, professor da Faculdade de Harvard, afirma que todo indivíduo nasce com um vasto potencial de inteligências, mas que estas só vão aflorar se forem estimuladas e praticadas. Todos podem desenvolver a inteligência musical se praticarem.

 

Desde uma brincadeira de roda, ou tocar um instrumento musical nas aulas de música, o cérebro é desafiado a utilizar diversas coordenações ao mesmo tempo (cantar/dançar, cantar/tocar/dançar, dançar/tocar etc). A neurocientista Viviane Louro afirma em seu livro “Fundamentos da Aprendizagem Musical” que a música requisita funções perceptivas, cognitivas e executivas e mais o aparato psicoemocional exigido pela arte, auxiliando no desenvolvimento das estruturas cerebrais, o que automaticamente educa os movimentos do corpo.

 

Estudos mostram que quando o bebê nasce ele já foi estimulado através dos sons (dentro da barriga da mãe) e das pessoas que cuidam dele (depois do nascimento), que geralmente brincam com ele utilizando a música.  As aulas de musicalização infantil unem duas ferramentas muito significativas para a criança: canções e brincadeiras: ou seja, através de histórias sonorizadas, brincadeiras de roda, brincadeiras de mãos, tocando ou construindo instrumentos musicais etc., a criança interage com um ambiente de sensibilização, reflexão e prática musical. E vai desenvolvendo habilidades que irão auxiliá-la em seu desenvolvimento integral, como desinibição, maior expressividade, desenvolvimento psicomotor mais consolidado, maior criatividade etc.

 

 A neurocientista Suzana Herculano-Houzel afirmou, em uma entrevista, que o repertório musical de escuta de uma pessoa é desenvolvido ao longo de sua vida de acordo com o meio social que está inserida. E pelas experiências significativas que teve com certos estilos musicais.

 

A música é uma linguagem matemática, mas ao mesmo tempo afetiva, sempre inserida em um contexto social. Através dela podemos aprender qualquer conteúdo, por isso é tão utilizada em diversas rotinas nas escolas de Educação Infantil, além de ser utilizada também para trabalhar tabuada, inglês etc.

 

Para tocar bem um instrumento musical é necessário disciplina. É necessário se organizar para praticar e melhorar suas habilidades no instrumento. A criança, de um modo geral, deseja resultados imediatos e ensiná-la a persistir, a não desistir quando surgem os desafios de tocar o repertório musical, são treinos importantes para o ser humano e para sua educação global. 

 

Caso a criança aprenda a tocar um instrumento musical, ela aprenderá desde cedo a importância da prática, do foco, da perseverança e da disciplina para melhorar, além de enfrentar o medo de errar e lidar com a dificuldade. Quando a criança mostra o repertório musical que está aprendendo, sua autoestima aumenta e isso contribuirá para que ela tenha mais confiança para persistir perante outros desafios que terá em sua vida (pois associa a conquista deste, ao sucesso dos demais desafios que virão).

 

A música na infância sempre vem acompanhada de momentos afetivos, sejam brincadeiras cantadas envolvendo mãos, toque, roda, tocar e cantar juntos, ou seja, atividades que fazem com que as pessoas interajam de uma maneira divertida. As atividades coletivas musicais em família, por exemplo, nos deixam memórias positivas e marcantes, por isso devem ser estimuladas e praticadas.

 

A música pode fortalecer áreas cerebrais importantes nos primeiros anos de vida, quando a neuroplasticidade - capacidade do cérebro de modificar sua estrutura e função através de experiências anteriores é maior, mas é preciso salientar que a plasticidade continua na fase adulta. Nunca é tarde para praticar música. Ou seja, desenvolvendo essa nova habilidade, programaremos nosso cérebro para envelhecer em melhores condições.

Não é à toa que hoje existe a Lei 11.769, que obriga todas as escolas a ofereceram aula de música para as crianças. Os benefícios são gigantescos. Seus filhos merecem crescer em um ambiente em que a música seja valorizada. Além de diversas memórias positivas que ele terá, todo seu desenvolvimento será beneficiado. Dessa forma, nossos filhos poderão usar seu tempo com mais qualidade e utilizarão a música como amiga e companheira, nos momentos difíceis e alegres da vida.

  1. A música ajuda no desenvolvimento neurológico da criança.
  2. O aprendizado musical modifica fisicamente o cérebro, principalmente na primeira infância (0 a 6 anos) e os ganhos se mantêm por toda a vida.
  3. Todos podem desenvolver a inteligência musical.
  4. As experiências musicais na infância ajudam a controlar melhor o corpo e a desenvolver a expressividade e a coordenação rítmica.
  5. A música é uma linguagem naturalmente atraente para a criança.
  6. Os estilos musicais que escutamos durante nossa vida, tendo experiências positivas, fazem toda a diferença no nosso gosto musical na fase adulta.
  7. A música é interdisciplinar.
  8. Praticar música ensina a importância da disciplina.
  9. A música melhora a autoestima e o autoconhecimento da criança.
  10. A música desenvolve o vínculo afetivo entre aqueles que juntos a praticam.
  11. A música traz benefícios a longo prazo.

 

Ler mais

Faça Parte do Clube dos Meus Primeiros 1000 dias

Tranquilidade na maternidade a apenas um clique de distância. Faça parte.

Conteúdo relacionado
As mães comentam este artigo0/5
Buscar

Ainda não encontrou
o que você estava procurando?

Experimente o nosso novo e inteligente mecanismo de busca. Nós sempre teremos algo para você.